Páginas

terça-feira, 24 de abril de 2012


Decidi não falar muito alto dessa vez, emendar um sussurro no outro, explodir esses sentimentos de pura incoerência. Acordando antes do sol, o deixando ir lhe banhando pelas frestas da janela até decidir levantar.

Levantar para a vida que se abre tão lentamente, tão delicadamente. Seus passos caminham naquela mesma direção, naquele instinto que absorve os sentidos do ambiente. Sem pensar eles seguem. Tão devagar quanto pode, tão rápido quanto deve. 

Os instantes separam a noite do dia, de alguma forma também nos separam. Da junção deles podemos nos encontrar pelo meio do caminho. Esbarrar em uma rua comum, sorrir pelo canto da boca, fingir nossa intimidade, explicitar nossa distância. Alimentar.

Alimentar o espaço que se forma entre nós. Torná-lo palpável, visível. Os que nos assistem já podem perceber a primeira vista, já não há mais nada. O pouco tempo fez curar. 

6 comentários:

  1. "Os instantes separam a noite do dia, de alguma forma também nos separam." Tão delicado...beijo.

    ResponderExcluir
  2. De vez em quando sinto esses "espaços".. =/ espaços que podem se tornar milhas de distância!

    ResponderExcluir
  3. Deu uma vontaaaade de acordar antes do Sol e vê-lo surgir, agora.
    Acho que farei isso nessa manhã, aproveitando a leveza do sítio onde me encontro. =)

    ResponderExcluir